A   R   G   O   S

Produção de Associado da ARGOS – campanha 2013/2014

A Chácara Cerro dos Olivais  a pioneira e introdutora da olivicultura  do RS apresenta seus números  da Campanha 2013/2014

Essa campanha   foram produzidos na propriedade associada  cerca de  25 000 quilogramas de azeitonas   das variedades  arbequina, arbosana, koroneiki, picual, galega portuguesa, cordovil de castelo branco, picudo e  frantoio e  manzanilla.  Sendo que parte da produção não foi colhida em virtude dos altos custos  para produzir o azeite que é especial.

A produção maior (nível comercial) foi  de arbequina. Sendo que dessa variedade foram produzidos 1650 litros de azeites  com as seguintes características em função da elaboração  do azeite a posteriori. Esclarecendo se colhe a azeitona  e se faz o processo de elaboração inicial do azeite após isso  se compõe  e se elabora o azeite de qualidade em função  do trabalho de composição do mesmo. Esse trabalho só pode  ser feito por um expert em azeites, pois transcende em muito a simples extração da gordura do fruto.

Um azeite  verde frutado de arbequina com características especiais de maçãs verdes, almendrado, com uma  acentuada  sensação de doçura  na ponta da língua, um leve picor e nada amargo. Bem harmônico e com complexidade média que aguça o paladar e dá um toque especial nos pratos que ele compõe, pouco picante e quase nada amargo. Especial para massas e carnes vermelhas. Compõe  com a mandioca  um sabor único e especial  dando um toque de extrema qualidade  no paladar e no aroma desse tubérculo.   Aroma característico de gramíneas e ervas recém-cortadas.

Um azeite maduro muito frutado de arbequina com características de maçãs maduras, banana e frutos maduros, uma leveza  e uma  sensação intensa  doce  na língua. Não pica e nem amarga, mas traz todas as sensações de frutas maduras; Também harmônico e complexidade média com uma sensação especial na boca e com um aroma muito marcante compondo muito bem com  vários  pratos e  saladas.

Um azeite de koroneiki – (pouca quantidade)  mais encorpado com aromas de tomate e ervas verdes bem marcantes, mais picante, pouco amargo. Um  azeite puxando mais para um verde médio  intenso. Bem harmônico e, também com complexidade média. Uma sensação de  amêndoas e banana verde na boca, doce bem harmonizado. Também acompanha e da um tom de paladar e fragrância   a carnes, massas,  e  outros alimentos cozidos e/ou assados (pouca quantidade – 50 litros).

Um azeite de arbosana –  que lembra muito o azeite  de arbequina. O seu diferencial é que o mesmo, nessa colheita está um pouco picante e amargo, mantendo a sensação de doçura na ponta da língua. No mas tem as mesmas qualidades  do azeite de arbequina verde e sua  utilidade e harmonização pode também  ser para carnes, massas e saladas (50 litros).

Todos os azeites produzidos não estão filtrados para manter  o máximo possível a sua integridade  saudável  mantendo todos os seus nutrientes que procuramos em um produto especial e de qualidade e assim se manterá por mais 02 meses após isso será feita a filtração já que estamos tirando os resíduos  semanalmente  para mantermos o máximo possível esse ganho nutricional. Em sequencia como ele será filtrado há também um ganho em manter suas qualidades com a retirada apenas  de alguma vitamina mantendo os demais elementos por mais tempo.

Ganha o azeite e ganha o consumidor que procura qualidade.

Também foram produzidos esse ano  200 kg de azeitonas  de mesa  das variedades manzanilla e  picual.  Azeitonas essa produzidas   com a utilização do aprendizado que os proprietários Olvania e Guajará  tiveram em curso recente na Espanha  (final de 2013)  onde  se  formaram em Especialista em elaiotecnia e azeitona de mesa pelo Instituto de Formação, Investigação e  Pesquisa  da Andaluzia- IFAPA.

Hoje essa propriedade é a única no Brasil que possui  02 especialistas em olivicultura, elaiotecnia e azeitona de mesa  e a única no Brasil que tem um Expert em Azeite de Oliva formado pela Universidade de Jaén – Espanha.